Socialism is the Best Medicine

Socialism is the Best Medicine

The Myth of Personal Life Under Capitalism

February 17, 2015

First published in Socialist Review as a 2-part feature: The myth of personal life under capitalism and Capitalism, alienation and the family.

As children, we count each birthday, eager to become adults so we can do what we want and make our own decisions. Once arrived, we discover that adult freedom is an illusion. Our childhood dreams of an exciting life are replaced with never-ending work and little to show for it. We feel like failures. What did we do wrong? The answer is — nothing. We did nothing wrong. This is how capitalism functions.

Like a giant casino, capitalism promises much and delivers little. A few strike it rich, re-enforcing the myth that you can do the same. But the game is rigged by the capitalist class. The harder we work, the richer they get, and the sicker we become. As in every con, capitalism must resign the losers to their losses so they do not organise to end the con. Promoting the fiction of personal choice misdirects us to blame ourselves.

Capitalism has perfected the art of making things appear different from how they are. It appears that work and life are two separate spheres: the economic sphere of work where we meet our material needs; and the personal sphere of family, friendship, love, interests and hobbies where we meet our emotional needs.

It also appears that different rules apply in each sphere. The sphere of work is shaped by the economics of capitalism, while the personal sphere seems to be shaped, not by capitalism, but by psychology and interpersonal dynamics. This dual-sphere model leads to dual solutions: an economic revolution to transform work; and a separate personal revolution to transform our relationships.

In reality, there is only one sphere, capitalism, that we experience socially and individually — one sphere with one solution. The liberal emphasis on personal choice hides the impact of capitalism as a social system and deflects workers from our common class interests.

Workers

Under the feudal agricultural system, work and life were integrated for the labouring classes. They lived with the people they worked with. Capitalism physically removed production from the family, creating a space away from work that we call “personal life” or “free time”. In fact, there is nothing free about it, because workers’ lives are dominated by the demands of capitalism: to prepare ourselves to work, to commute to and from work, to recover from the workday, and to raise the next generation of workers.

These reproductive tasks are not profitable for capitalism, but production ceases without them. This became clear during the Industrial Revolution, when round the clock factory work sent death rates soaring, and the life expectancy of factory workers in England dropped to 18 years. Something had to be done to protect the supply of labour.

The capitalist class could have ensured a steady flow of new workers by funding infant and childcare centres, collective kitchens and shared living arrangements. But there is no profit in providing social services, and the working class was not strong enough to insist on them.

The alternative was to make individuals responsible for reproduction. Laws were passed to limit the ability of women and children to work. Men were paid a “family wage” and made legally responsible for supporting women and children. These measures placed men at the head of the family. Parents were made legally responsible for their children. Divorce was restricted and male homosexuality was outlawed.

The church backed the state by condemning adultery, divorce, sex outside of marriage, children out of wedlock, contraception, homosexuality, and by sanctifying the subordination of wives to husbands and children to parents. In effect, the modern family was constructed by prohibiting any alternative.

The working class family has one function, reproduction – the daily reproduction of workers’ energy, and the reproduction of the next generation of workers. When you strip the romantic veneer from marriage, it is basically a contract where two people agree to take care of each other and their offspring, because society will not.

The reproductive functions that the village used to provide (emotional, social and material support) are now the responsibility of the marriage partner. The concept of “romantic love” was created to support this shift. The first romance novel appeared in 1740, and Jane Austen popularised the genre in the early 1800s. Today, promoting romantic love is a multi-billion-dollar industry. However, the high rate of divorce and relationship breakdown proves how nearly impossible it is for one person to meet all the needs of another.

Capitalism does not require workers to be replenished and reproduced in families. This can be done by other means. Slaves can be exploited to death and replaced by new slaves. Many agriculture, lumber and mining companies establish camps to care for workers whose families live far away. And the reproduction of prison labour is fully funded by the state. However, capitalism prefers the family system for its financial and political advantages. Financially, the global value of unpaid work performed in the home has been estimated at more than £7 trillion ($11 trillion) per year. Politically, the family serves as an important socialising unit for capitalism.

The modern family is maintained at the expense of working women. Just as capitalism required racism to promote African slavery, it requires sexism to deny social support for child-rearing.

Sexism

Sexism dictates that woman’s primary role is to bear children, and to enforce that working class women are denied the right to control if, when and under what conditions they have children. Lack of reproductive control, inadequate maternity leave, no job security after pregnancy, and lower wages combine to keep most women financially dependent on higher-waged men.

Sexism also binds men to the family system. “Family obligations” tie men to jobs they might otherwise leave. Men are expected to support women and children, even after they have left one family and formed another. And “dead-beat dads” in North America can land in prison for not paying child support. Just as women are tied to their roles as in-house parents, men are tied to their roles as out-of-the-house bread winners. A recent US survey found that two thirds of fathers would prefer to split childcare duties with their spouse. However, only 14 percent of American men are entitled to paid parental leave.

Denying men paid parental leave alienates them from their children and forces women to shoulder more of the childcare burden, with the lower wages that result. It is a myth that we choose to live in families; we are locked into them. To drive that home, the legal system punishes those who try to escape the iron grip of the family. Divorcing couples are forced through expensive and gut-wrenching legal obstacles. Parents who neglect their childcare duties can be legally prosecuted. Youngsters who run away from home can be forcibly returned to their families, placed in alternate families or confined in detention centres. Gay people continue to be victims of discrimination, violence and murder.

A lack of social services forces a life-long dependence on the family. Those who are sick, injured, unemployed, broke or in trouble are expected to rely on their families. Social supports are deliberately inadequate and punitive so that only the desperate will use them. As a result, most of us are compelled to provide personal-care services for children or parents our entire lives.

Romance

To make the lack of alternatives more palatable, romance, marriage, and family are promoted as the best way, the only way, to live. As children we all learn the song:

“John and Mary sitting in a tree. K.I.S.S.I.N.G. First comes love, then comes marriage, then comes baby in the baby carriage.” (In that order.)

Of course, the reproductive family can take different forms: blended families composed of separated parents, single parents, gay parents. We used to think that gay marriage threatened capitalism, but it does not. US Republican billionaire Paul Singer calls gay marriage “an augmenter of social stability, family stability, and stability in raising kids.”

The family reproduces class roles and expectations. It also reproduces gender roles. The first question asked about a new baby is whether it is a boy or a girl. The answer will determine how that child will be treated, and be expected to behave, for the rest of its life. Because women are the primary child-rearers, little girls are socialised to be kind, gentle, patient, affectionate, nurturing, receptive, altruistic, invested in their appearance, submissive to men, sexually modest and sexually faithful.

Because men are expected to be the family breadwinners (and fight in wars), little boys are socialised to be disciplined, strong, competitive, ambitious, logical, independent, ready to fight, protectors of women, and not homosexual. The male gender role encourages competition and combat, leaving men ill-equipped for intimate relationships and parenting. Gender roles are inescapable even among gay people, who are pressured, and pressure each other, to adopt these roles.

Roles

Male and female gender roles are complete opposites. Men are expected to have hair on their bodies; women are pressured to remove their body hair. The man with a robust sexual appetite is a stud; his female counterpart is a slut. Virtually everything in life, from the colours we like, the clothes we wear, the gifts we’re given, the hobbies we enjoy, is gender-defined, so that women will reject any part of themselves that is considered masculine, and men will reject any part of themselves that is considered feminine.

Restrictive gender roles make it impossible for anyone to be a full human being. The emotionally sensitive boy is shamed as a sissy, a wimp, or a wuss. The confident, assertive girl is shamed as bossy, a bitch, a dyke, or a ball-buster. After squishing ourselves into these crippling gender roles, we are expected to partner with someone from the opposite sex who displays characteristics that we have spent a lifetime rejecting in ourselves. That is not a recipe for success.

Impossible gender expectations create crushing disappointment. The woman is raised to see the man as a champion and a prince who will make her dreams come true. When she discovers that he cannot do this, she expresses her disapproval or withdraws in despair. The man gets the message that he is not measuring up. How could he? The man is raised to expect a warm attentive partner who is always ready for sex. What he gets is an overworked, exhausted and frequently irritated partner. Both of them blame themselves, and both of them blame each other. But neither is to blame.

Capital is most effectively extracted from workers who do not question their exploitation, who “mind their betters” and “keep their noses to the grindstone”.

For the majority working class, obedience is demanded, questioning is forbidden and defiance is punished. Children present a problem for capitalism, because children are natural scientists. They want to know “Why?” about everything. And when they don’t like the answer, they keep asking “Why?” The relentless inquiry of each new generation is a gift, an opportunity to rethink everything. Nothing is more subversive.

For children to accept the unfairness of capitalism, their inquiring spirits must be crushed into submission. This process begins in the family, is reinforced at school and consolidated at work.

When confronted with the child’s “Why?” most adults are too stressed, too fearful or too ashamed to answer. Adult frustration tells children that questioning is not acceptable. Things are the way they are…because.

Natural

When questioning is not acceptable, we conclude that the questioning part of ourselves is not acceptable. After a lifetime of suppressing our own questioning, it feels natural to suppress our children’s questioning. They must do as we say and not “talk back”. After all, it is “for their own good”.

As children, we learn that we are “good” when we obey and “bad” when we disobey. Love and acceptance become conditional on serving the people who have power over us. Boys and girls receive this message through the filter of different gender expectations, but it applies to both. Girls are expected to put others’ needs before their own; boys are expected to “take what’s handed out” to the point of risking their lives for employers and superior officers.

Transforming inquisitive children into obedient, producing and reproducing machines requires a persistent shaming process that compels us to reject every part of ourselves that might rebel: our curiosity, our need to be heard and valued, and our need to actively shape our lives and our world. As a result, we cannot be complete human beings. When we believe that parts of ourselves are unworthy, we are ashamed to show ourselves, and our relationships remain superficial and insecure.

When we cannot show who we are, we cannot believe that we are loved for who we are. Attempts to earn love through appearance, accomplishments or status are doomed to fail because conditional love is, by definition, insecure. And insecurity in our worth and in our intimate relationships makes us miserable. When we feel empty and lonely, we blame ourselves, and we blame each other. Blaming ourselves causes more shame, low self-esteem, anxiety, depression, and addictions to numb the pain. Blaming each other creates another form of hell.

Stripping the romantic veneer from the typical family reveals two people who are socialised to be opposites, crammed in a box, subjected to falling living standards, rising debt and social insecurity. They are expected to raise children, who have lots of needs, and to do this with no outside support. Add bouts of unemployment, injury, or illness. Add some dependent relatives. Then make it difficult for these people to leave. Insist that they solve their own problems, and if they cannot, then it must be their fault or their partner’s fault. This is a recipe for disaster, as unrelenting stresses build to the point of explosion.

Violence

It is widely assumed that family violence is caused by men dominating women and children. This is partly true. Daily humiliation on the job generates anger that can release at home. The role of provider causes resentment when men are working too hard for too little reward. Gender roles dictate that men should never be needy. The accumulation of unmet needs causes some men to explode in frustration or in drunken rages that mask their underlying depression and despair.

While sexist stereotypes portray women as victims rather than aggressors, women are equally capable of attacking their partners. Between 17 and 45 percent of lesbians report at least one act of physical violence perpetrated by a female partner. A recent US survey found that one in four women and one in seven men have experienced severe physical violence from an intimate partner, that is being hit, beaten, or slammed against something. A Canadian survey found that men and women faced the same risk of violence from an intimate partner. The legal system denies the reality of domestic violence, imprisoning partners who assault or kill each other, even in self-defence.

While the women’s movement provides victim services for women, it refuses to acknowledge male victims of domestic violence. The mistaken belief that only women are victims makes it harder for male victims to come forward. Men who are assaulted by women are ridiculed. The false belief that women are violent only in self-defence means that men who call the police on violent women are likely to be arrested themselves. There are virtually no shelters for battered men. And many men will not leave violent female partners for fear of never seeing their children again.

Families propagate violence. Sons of violent parents are 1,000 times more likely to batter their adult partners, and daughters of violent parents are 600 times more likely to batter their partners. Children who are bullied at home are more likely to bully and to be bullied at school.

Abuse

Child abuse is rampant in the capitalist family system. We cannot know how rampant, because it goes on behind closed doors, most is never reported, and adults tend to normalise what they experienced as children.

When neglected, they conclude that they did not deserve better. When physically terrorised, they will rationalise: “Sure, I was hit. But I deserved it.” According to the Adverse Childhood Experiences study, more than one in four American adults lived with alcohol or drug addiction in their childhood homes, 28 percent were physically abused as children and 21 percent suffered sexual abuse.

The burden of childcare can be overwhelming. American mothers are responsible for at least 60 percent of child deaths caused by abuse and neglect. Fewer than 40 percent of such deaths are perpetrated by the father alone. Adults who were harmed in childhood experience more health problems including: alcoholism; addiction; diabetes; obesity; heart, lung and liver disease; all forms of mental illness; more bone fractures; higher unemployment; higher cancer rates; chronic pain; and a shorter lifespan. The likelihood of suffering these problems increases with the number and severity of adverse experiences.

Capitalism promotes sympathy for child victims and prosecutes adult perpetrators. But today’s perpetrators are yesterday’s victims. While only a small minority of child victims become adult perpetrators, studies of those who do perpetrate reveal that almost all were traumatised as children. Capitalism cannot acknowledge that most perpetrators are former victims, because it cannot admit that families transmit trauma from one generation to the next.

Some sexually-abused girls become adult sexual predators. The sexist belief that women would never violate children means that female perpetrators are rarely caught, their victims are not believed, and neither is provided with effective treatment. Adult perpetrators can be treated, not by punishing them but by connecting them with their own painful experience of victimisation, experience that they have buried.

While capitalism feigns support for child abuse victims, the abuser is rarely removed from the home. The abused child is removed instead. This sends the message that the child is the problem, and does nothing to protect any remaining children. Removing the abuser would require a social investment in residential treatment and family support to replace what the abuser provided. In order not to “burden” society with these obligations, child victims lose their families and suffer the guilt of believing that their family would still be together if they had not “told”.

The legal system actively discourages child abuse victims from coming forward. Those who do are re-traumatised by lawyers and judges who disbelieve them, minimise their suffering and blame them for causing their own misery. The system cannot support these victims for fear of releasing a flood of law suits that would expose how many children are being harmed in their families.

Child abuse and elder abuse are connected. A lack of social support compels adults who were abused as children to become caregivers for aging parents. The stress of care-giving is multiplied by the deep resentment of having to provide for those who treated you badly. This resentment can explode into violence, as aggrieved children give their former abusers a taste of their own medicine.

Blame

The family is a violent institution that serves a violent capitalist society. Yet the epidemic of misery that capitalism produces is falsely presented as a collection of individual, personal problems best treated by individual doctors, therapists and charities. Under capitalism, social problems are treated as individual difficulties caused by bad choices, poor parenting, wonky brain chemistry, faulty genetics, or “accidents”. In reality, the greatest predictor of illness, injury and premature death is your position on the social hierarchy. The lower your position, the more you suffer.

One study found that the additional deaths caused by income inequality in 282 American cities exceeded the loss of life from lung cancer, diabetes, motor vehicle crashes, HIV infection, suicide, and homicide combined.

Despite overwhelming evidence of how much damage capitalism creates, we are lectured that health is an individual responsibility. When we get sick or become disabled, then we must have done something wrong, and it is our responsibility to fix it. To help us fix it, the pharmaceutical industry will sell us a pill for every ill. And a billion-dollar self-help industry will sell us advice on how we can be healthy in a sick world. The message is that anyone who is unhealthy or unhappy must be doing something wrong.

In reality, capitalism makes life unbearable. An estimated 800,000 people around the world kill themselves every year, and millions more attempt suicide or wish they were dead. Being unhappy is a reasonable response to being exploited and oppressed. However, we do not live in a reasonable society; we live in a blaming, shaming society where those who cannot cope, those who fall outside the expected norms, and those who rebel are stigmatised as defective.

You have to admire capitalism for its ability to deceive. We are born into a repressive family structure where, as children, we have absolutely no power and no choices. The adults who control our lives are overwhelmed and deprived, so they cannot give us what we need. Our traumatic experiences as children mark us for life. However, we are told that our problems are our own fault and that we are responsible for solving them. And when we inevitably fail, insult is added to injury. We are blamed.

Liberalism

The “personal sphere” is dominated by liberalism — the belief that individuals can change society by changing their behaviour and that social problems persist because not enough people care. “Be the change you want to see in the world” means that if you care about hunger, you should feed someone. As Mother Teresa instructed, “If you cannot feed a hundred people, then feed just one.” In fact, we can feed a hundred people. We currently produce more than enough to feed everyone in the world. People do not starve because there is no food; they starve because they are poor; and they are poor because the capitalist class hoards wealth at the top of society.

Most people care about others and want to reduce their suffering. Capitalism transforms this caring into a profitable charity industry that appears to address social problems without challenging the system that creates them. Individuals are urged to contribute to food banks, raise money for disease research, donate to children’s sports programmes, collect for school computers, and so on. The net result is to lower expectations of what can be achieved. Only some people get fed, only some diseases are researched, only some children get to play sports, and only some schools get computers. That is not good enough in a world that produces more than enough to meet everyone’s needs.

The annual income of any one of the top ten richest Americans could pay for a year’s accommodation for the estimated 663,000 homeless people in the United States. Walmart is the largest grocery retailer in the United States. Its 2013 profit of $16 billion (£11bn) could eliminate hunger in America. And the trillions of dollars spent annually on war could ensure clean water, healthcare, education and housing for everyone on the planet.

Solidarity

The capitalist emphasis on personal choice is not about who we are or who we want to be. It is a political ploy to divert us from our common class interests. The key to fighting deprivation is class solidarity, not charity. When the ruling class fails to meet our needs, we must hold it accountable, organising in every neighbourhood, school and workplace until we get what we need.

The liberal strategy for ending bigotry and interpersonal violence is to purge ourselves of unwanted thoughts and behaviours. This moralistic approach increases interpersonal antagonisms by shaming those who fail to behave correctly. And everyone inevitably fails.

Capitalism is a social system that seeps into every fibre of our beings; there is no part of our lives or our relationships that it does not touch. From birth to death we are immersed in racist, sexist, homophobic and class ideology. No one is immune to the impact. It is impossible to eliminate bigotry and interpersonal violence without politically challenging the social system that breeds this behaviour.

A socialist is not a morally superior being with no flaws. A socialist challenges divisive beliefs and behaviours in order to increase cooperation inside the working class. However, it is impossible to create consistently cooperative behaviour under capitalism. If it were possible, we would not need a socialist revolution.

Capitalism emphasises personal life, but it cannot deliver. Personal life requires time away from work and the means to use that time how we choose to. Capitalism creates the opposite conditions: overwork and deprivation. It appears that there are two distinct spheres in life because maximising capital accumulation requires production to be socialised and reproduction to be privatised. In reality, there is only one sphere, capitalism, an all-embracing, thoroughly destructive social system. And there is only one solution.

Human beings thrive in societies based on mutual care-giving. When we share the work, everyone has more free time. And when we share what we produce, everyone has access to what society has to offer. Socially integrating production and reproduction would create a space for personal life that is free from the demands of both. This is the socialism that we long for.

Collective care-giving is the child’s best protection. Surrounded by caregivers, no child would ever be trapped in a box with a needy or raging adult. And when raising children is a social responsibility, no one will be forced to live with anyone else. Socialism would enable women to control if, when and how they bear children. Socialised childcare coupled with reproductive control would free women to be the social equals of men.

Replacing the individual-family system with a socially-caring system would end the need for gender caricatures. Children could develop into full and complete human beings who shape their relationships as they please. The way that human beings organise life shapes all of their relationships. Replacing capitalism with a socialist society will change much more than the economy; it will change the people who create that social revolution, and it will change their relationships in ways we can only imagine. It will transform what it means to be human.

Capitalism has made the world a terrifying place. As a shield against the horrors of war, exploitation, oppression, slow death through climate change, or quick death through nuclear holocaust, we are offered the refuge of “personal life”. While the world burns, we are directed to hunker down in our individual homes, where we have the least power to challenge capitalism. We do not have to comply.

We get some personal choices under capitalism. We can choose to despair or we can choose to hope. We can choose to accept the world as it is or we can choose to struggle against it. We can blame ourselves and each other for our misery or we can pull together to meet everyone’s needs. We can hide in our homes or we can fight with our class. What we choose will determine the fate of the world.

O presente texto foi publicado originalmente na revista inglesa Socialist Review em 2015, dividido em duas partes: “O mito da vida pessoal sob o capitalismo” e “Capitalismo, alienação e família”. Posteriormente, foi publicado com pequenas alterações no livro Marxism and Psychology. Tradução de Fernando Lacerda Jr.

----

Quando crianças, contamos cada aniversário, ansiosos para virarmos adultos, e, assim, fazer o que queremos e tomarmos nossas próprias decisões. Assim que viramos adultos, descobrimos que a liberdade da vida adulta é uma ilusão. Nossos sonhos de infância sobre uma vida excitante são substituídos por trabalho incessante e pouco mais do que isso. Nos sentimos um fracasso. O que fizemos de errado? A resposta é: nada. Não fizemos nada errado. Esta é a forma como o capitalismo funciona.

Como um grande cassino, o capitalismo promete muito e dá pouco. Uns poucos enriquecem e, assim, reforçam o mito de que você pode fazer o mesmo. Mas o jogo é manipulado pela classe capitalista. Quanto mais trabalhamos, mais ricos eles se tornam e mais adoecidos ficamos. Tal como em toda fraude, o capitalismo responsabiliza os derrotados por suas perdas. Assim, eles não se organizarão para acabar com a fraude. Promover a ficção da escolha pessoal faz com que, equivocadamente, nos sintamos culpados.

O capitalismo aperfeiçoou a arte de fazer as coisas aparentarem algo diferente daquilo que elas são. Por exemplo, parece que o trabalho e a vida são duas esferas separadas: a esfera econômica do trabalho seria aquela em que satisfazemos nossas necessidades materiais; e a esfera pessoal seria aquela da família, da amizade, do amor, dos interesses e dos hobbies em que satisfazemos nossas necessidades emocionais.

Também parece que diferentes regras se aplicam para cada esfera. Parece que a esfera do trabalho é constituída pela economia capitalista, enquanto a esfera pessoal parece ser constituída pela psicologia e pelas relações interpessoais, ao invés de ser determinada pelo capitalismo. Este modelo dualista leva, por sua vez, para soluções dualistas: uma revolução econômica para transformar o trabalho; e uma revolução pessoal, separada, para transformar as nossas relações.

Na realidade, há apenas uma única esfera, o capitalismo, o qual é vivenciado socialmente e individualmente. Sendo uma única esfera, há uma única solução. A ênfase liberal sobre a escolha pessoal oculta o impacto do capitalismo como sistema social e desvia os trabalhadores de seus interesses comuns de classe.

Trabalhadores

No sistema feudal agrícola, o trabalho e a vida estavam, para as classes que trabalhavam, integrados. As pessoas viviam com as mesmas pessoas com quem trabalhavam. O capitalismo separou fisicamente a produção e a família, criando um espaço diferente do trabalho que nós chamamos de “vida pessoal” ou “tempo livre”. De fato, não há nada de livre nisso, porque as vidas dos trabalhadores são dominadas pelas demandas do capitalismo, pois precisamos: nos preparar para o trabalho; nos transportar para e do trabalho; nos recuperar da jornada de trabalho; e criar a próxima geração de trabalhadores.

Essas tarefas reprodutivas não são lucrativas para o capitalismo, mas a produção é impossível sem elas. Isto ficou claro durante a Revolução Industrial, quando a jornada de trabalho de 12 horas elevou a taxa de mortalidade e reduziu a expectativa de vida de trabalhadores operários na Inglaterra para 18 anos. Algo tinha que ser feito para garantir a oferta de trabalho.

A classe capitalista poderia ter assegurado um fluxo constante de novos trabalhadores financiando centros de educação infantil, cozinhas coletivas e habitações coletivas. Mas não há qualquer lucro na oferta de serviços sociais e a classe trabalhadora, na época, não era forte o suficiente para lutar por isso.

A alternativa foi responsabilizar os indivíduos pela reprodução. Foram aprovadas leis que limitavam as possibilidades para crianças e mulheres trabalharem. Homens passaram a receber “salários familiares” e convertidos em responsáveis legais pela sustentação de mulheres e crianças. Essas medidas colocaram os homens como líderes da família. Os pais se tornaram os responsáveis legais por suas crianças. O direito ao divórcio foi limitado e a homossexualidade ilegalizada.

A igreja apoiou o estado na condenação do adultério, divórcio, sexo fora do casamento, filhos fora do casamento, contracepção, homossexualidade e na santificação da subordinação das esposas aos maridos e das crianças aos pais. Com efeito, a família moderna foi construída a partir da proibição de qualquer outra alternativa.

Reprodução

A família da classe trabalhadora tinha uma função específica: a reprodução, isto é, reprodução diária da força de trabalho e a reprodução da próxima geração de trabalhadores. Quando se arranca o verniz romântico do casamento, é visível que ele se trata de um contrato em que duas pessoas concordam em cuidar uma da outra e de sua prole, porque a sociedade não fará isto.

As funções reprodutivas que eram garantidas pelas aldeias (apoio emocional, social e material) tornam-se responsabilidade do casal. O conceito de “amor romântico” foi criado para apoiar este salto. A primeira novela romântica apareceu em 1740 e Jane Austen popularizou esse gênero no início do século XIX. Na atualidade, a promoção do amor romântico é uma indústria multibilionária. Porém, as altas taxas de divórcios e de términos de relacionamentos provam como é quase impossível para uma pessoa satisfazer todas as necessidades de outra.

A reposição e a reprodução de trabalhadores por meio da família não são os únicos meios utilizados pelo capitalismo. Tudo isso pode ser feito por outros meios. Escravos podem ser explorados até a morte e substituídos por novos escravos. Muitas companhias de mineração, extração e agricultura criam acampamentos para cuidar de trabalhadores que vivem distantes de suas famílias. A reprodução do trabalho prisional é completamente financiada pelo Estado. Porém, o capitalismo prefere o sistema familiar porque ele possui vantagens financeiras e políticas. Financeiramente, o valor global de trabalho não-pago desempenhado no lar foi estimado em mais de 11 trilhões de dólares por ano. Politicamente, a família funciona como uma unidade socializadora importante para o capitalismo.

Sexismo

A família moderna é sustentada às custas das mulheres trabalhadoras. Assim como o capitalismo precisou do racismo para fortalecer a escravidão africana, o sexismo foi necessário para se negar o apoio social necessário para as tarefas domésticas. O sexismo determina como papel primário das mulheres a tarefa de cuidar das crianças e, para reforçar isso, nega o direito de mulheres decidirem se, quando e como terão filhos. A combinação de inexistência de controle reprodutivo, ausência de licença-maternidade adequada, insegurança no trabalho após a gravidez e salários menores fazem com que as mulheres fiquem dependentes de homens que recebem salários mais elevados.

O sexismo também prende os homens ao sistema familiar. As “obrigações familiares” prendem os homens em empregos que, em outra situação, abandonariam. Os homens são pressionados a sustentarem mulheres e crianças, mesmo depois que deixam uma família e constituem outra. Pais que não pagam pensões nos EUA podem parar na prisão por não sustentarem seus filhos. Assim como as mulheres estão presas em seus papeis como cuidadoras domésticas, os homens estão presos em seus papeis como ganha-pão de suas casas. Uma pesquisa recente nos EUA demonstrou que dois terços dos pais masculinos prefeririam compartilhar tarefas domésticas com suas esposas. Porém, somente 14% dos homens nos EUA têm o direito de receber licença-paternidade.

Negar a licença-paternidade remunerada aliena os homens de seus filhos e força as mulheres a assumirem maiores responsabilidades na obrigação de criar os filhos, ao mesmo tempo em que elas recebem menores salários. A ideia de que nós escolhemos viver em família é um mito; nós estamos presos a ela. Casais que estão se divorciando são forçados a enfrentar obstáculos legais extenuantes e caros. Pais que deixam de cumprir suas responsabilidades parenteis podem ser legalmente processados. Jovens que fogem de casa são forçados a retornar às suas famílias, alocados em famílias alternativas ou confinados em centros de detenção. A população LGBT continua sendo vítima de discriminação, violência e assassinatos.

A inexistência de serviços sociais força uma dependência vitalícia sobre a família. Aqueles que estão doentes, feridos, desempregados, falidos ou com problemas devem depender de suas famílias. Os suportes sociais são, deliberadamente, inadequados e punitivos. Assim, somente os desesperados recorrem a eles. Um resultado de tudo isso é que a maior parte de todos nós precisa oferecer atenção pessoal para crianças e pais ao longo de nossas vidas.

Para que a ausência de alternativas seja mais palatável, o romance, o casamento e a família são apresentados como os melhores meios, ou melhor, os únicos meios para se viver. Quando crianças aprendemos a canção: “John e Mary sentados na árvore. B.E.I.J.A.N.D.O. Primeiro vem o amor, então o casamento, em seguida o bebê no carrinho”[1] (nesta ordem).

Obviamente, a família reprodutiva pode se configurar de diferentes formas: famílias mistas construídas por casais divorciados, mães ou pais solteiros, casais homoafetivos. Pensávamos que o casamento homoafetivo ameaçava o capitalismo, mas isto não é assim. Um bilionário republicano dos EUA, Paul Singer, afirma que o casamento homoafetivo é “um fator de estabilidade social, estabilidade familiar e estabilidade na educação de crianças”.

A família reproduz os papeis e as expectativas de classe. Ela também reproduz os papeis de gênero. A primeira pergunta feita sobre um bebê é se ele é um menino ou uma menina. A resposta determinará como a criança será educada e as expectativas sobre o seu comportamento para o resto de sua vida. Porque as mulheres são as educadoras primárias, as meninas são socializadas de forma que sejam amáveis, gentis, pacientes, afetuosas, atenciosas, receptivas, altruístas, preocupadas com a aparência, submissas em relação aos homens, sexualmente recatadas e sexualmente fieis.

Da mesma forma, porque há uma expectativa de que homens sejam os responsáveis por ganhar o pão (e lutarem em guerras), os meninos são socializados para serem disciplinados, fortes, competitivos, ambiciosos, lógicos, independentes, prontos para a luta, protetivos em relação às mulheres e se posicionarem contra a homossexualidade. O papel de gênero masculino encoraja a competição e o combate, deixando os homens incapazes para lidar com relações íntimas e a paternidade. Os papeis de gênero são inescapáveis, mesmo entre homossexuais, quem são pressionados e pressionam a si mesmos para adotar os citados papeis.

Papeis de gênero

Papeis de gênero masculinos e femininos são definidos em completa oposição. Espera-se que os homens tenham pelos em seus corpos, enquanto as mulheres são pressionadas a se depilarem. O homem que possui um apetite sexual robusto é um garanhão, enquanto a sua versão feminina é uma piranha. Virtualmente tudo na vida, desde as cores que gostamos, as roupas que vestimos, os presentes que recebemos, os hobbies que apreciamos, é definido pelo gênero. Assim, as mulheres rejeitarão quaisquer características nelas mesmas que são consideradas masculinas e os homens rejeitarão quaisquer características neles mesmos que são consideradas femininas.

Os papeis de gênero são tão restritivos que impossibilitam a formação de um ser humano integral. O menino que é emocionalmente sensível passa vergonha por ser uma mocinha, um covarde ou um fraco. A menina que é confiante e assertiva sente vergonha por ser mandona, megera, sapatona ou dominadora. Após nos espremermos para cabermos em papeis de gênero tão limitadores, espera-se que façamos vínculo com alguém do sexo oposto que apresenta características que passamos a vida inteira tentando rejeitar em nós mesmos. Esta não é uma receita para o sucesso.

Expectativas de gênero superestimadas criam um desapontamento avassalador. A mulher é criada para imaginar o homem como um campeão e um príncipe que realizará todos os seus sonhos. Quando elas descobrem que isso não é possível, elas expressam sua reprovação ou se fecham em desespero. O homem recebe a mensagem de que ele não está atingindo as expectativas. Como poderia? O homem é educado para esperar uma parceira atenciosa e calorosa que está sempre pronta para transar. O que ele recebe é uma parceira sobrecarregada, exausta e, frequentemente, irritada. Ambos culpam a si mesmos e um culpa o outro. Mas nenhum dos lados pode ser responsabilizado por isso.

Obediência

O capital é extraído de forma mais efetiva de trabalhadores que não questionam sua exploração, que “pensam no que é melhor” e “se afundam no trabalho”. Para a maior parte da classe trabalhadora há a exigência de obediência, a proibição do questionamento e a punição da divergência. As crianças são um problema para o capitalismo, porque elas são cientistas espontâneos. Elas perguntam o “por quê” de tudo. E quando elas não se satisfazem com a resposta, continuam perguntando “por que?”. O questionamento incessante de cada geração é uma virtude, é uma oportunidade para se repensar tudo. Nada é mais subversivo do que isso.

Para as crianças aceitarem as injustiças do capitalismo é necessário quebrar seus espíritos questionadores e produzir, a partir disso, a submissão. Este processo começa na família, é reforçado na escola e consolidado no trabalho.

A maior parte dos adultos que é confrontada com os “por quês” das crianças está muito estressada, muito acovardada ou muito envergonhada para responder. A frustração dos adultos mostra para as crianças que questionar não é aceitável. As coisas são do jeito que são.... porque sim.

Quando o questionamento não é aceitável, concluímos que a parte questionadora de nós mesmos não é aceitável. Após passarmos a vida suprimindo os nossos questionamentos, parece natural suprimir todas as questões de nossas crianças. Elas precisam fazer o que mandamos e não responderem. Afinal, fazemos isso “pelo bem delas”.

Quando crianças, aprendemos que somos “bons” quando obedecemos e “maus” quando desobedecemos. Amor e aceitação dependem de nossa servidão frente às pessoas que possuem poder sobre nós. Meninos e meninas recebem essa mensagem por meio dos filtros criados por diferentes expectativas de gênero, mas todos recebem ela. As garotas devem priorizar as necessidades dos outros em detrimento de suas próprias necessidades; os garotos devem aceitar o que é oferecido, ao ponto de arriscarem suas vidas por seus patrões ou oficiais superiores.

Transformar crianças questionadoras em máquinas obedientes, produtivas e reprodutoras requer um consistente processo de humilhação que nos compele a rejeitar qualquer parte de nós mesmos que pode se rebelar: nossa curiosidade; nossa necessidade de escuta e valorização; e nossa necessidade de ativamente determinar nossa vida e nosso mundo. Consequentemente, não podemos nos formar como seres humanos integrais. Quando acreditamos que partes de nós mesmos são indignas, sentimos vergonha de nos expressar e, por isso, nossas relações se tornam superficiais e inseguras.

Vergonha

Quando não podemos revelar quem nós somos, não podemos acreditar que somos amados pelo que somos. As tentativas de conquistar o amor pela aparência, por conquistas ou pelo status estão condenadas ao fracasso porque o amor que depende disso é, por definição, inseguro. A insegurança em nossas relações importantes e íntimas produz sofrimento. Ficarmos nos culpando por isso produz ainda mais vergonha que, por sua vez, produz reduzida autoestima, ansiedade, depressão e adicções que anestesiam a dor. Culpar o outro cria uma outra forma de inferno.

Por trás do mito da família feliz estão duas pessoas que são socializadas para serem opostos, estão abarrotadas em uma caixa e sujeitas a condições de vida em decadência e taxas crescentes de débito e insegurança social. Espera-se delas que eduquem crianças que portam inúmeras necessidades e que façam tudo isso sem qualquer tipo de apoio externo. Acrescente a isso crises criadas por desemprego, danos ou doenças. Acrescente, também, alguns parentes dependentes. Crie dificuldades para essas pessoas saírem de suas posições. Insista para que elas resolvam seus problemas isoladamente, caso contrário, elas ou quem está ao seu lado serão responsabilizadas. Esta é uma receita para o desastre, pois pressões inexoráveis conduzem à explosão.

Violência

É bem difundida a ideia de que a violência doméstica é causada por homens dominando mulheres e crianças. Isto é verdade, mas meia-verdade. A humilhação diária no emprego cria uma raiva que só é expressa em casa. O papel de provedor cria ressentimento quando homens trabalham demais recebendo pouco. Os papeis de gênero afirmam que os homens nunca podem expressar suas necessidades. A acumulação de necessidades insatisfeitas faz com que muitos homens estourem em frustração ou em bebedeiras que mascaram sua depressão ou seu desespero subjacentes.

Apesar de estereótipos sexistas retratarem mulheres como vítimas ao invés de agressoras, elas são igualmente capazes de atacar suas parceiras. Entre 17% e 45% das lésbicas relatam terem sofrido, pelo menos uma vez, atos de violência física perpetrados por uma parceira. Uma pesquisa recente nos EUA descobriu que uma a cada quatro mulheres e um a cada sete homens passaram por violência física severa empreendida por um parceiro íntimo, isto significa que foram agredidos, espancados ou jogados contra algo. Uma pesquisa canadense descobriu que homens e mulheres enfrentam os mesmos riscos de violência perpetrada por um parceiro íntimo. O sistema legal nega a realidade da violência doméstica, aprisionando casais que se agridem ou se matam, inclusive em casos de autodefesa.

Enquanto o movimento de mulheres oferece para mulheres serviços para vítimas, ele se recusa a reconhecer as vítimas masculinas da violência doméstica. A crença equivocada de que apenas mulheres são vítimas cria dificuldades para que vítimas masculinas se manifestem publicamente. Homens que são agredidos por mulheres são ridicularizados. A falsa crença de que as mulheres são violentas apenas em casos de autodefesa significa que homens que chamam a polícia para denunciar a violência perpetrada por mulheres estão mais propensos a serem presos por isso. Praticamente não existem abrigos para homens agredidos. Muitos homens não abandonam mulheres violentas por medo de nunca mais verem seus filhos.

Famílias propagam violência. Filhos de pais violentos são 1000 vezes mais propensos a agredirem seus parceiros adultos e filhas de pais violentos são 600 vezes mais propensas a agredirem seus parceiros. Crianças que sofrem bullying em casa são mais propensas a praticarem e sofrerem bullying na escola.

Abuso

O abuso de crianças é marcante no sistema familiar capitalista. Nós não conseguimos descobrir a gravidade da situação porque é um fenômeno que não vem a público, raramente é denunciado e os adultos tendem a normalizar tudo aquilo que é igual àquilo que eles viveram quando crianças.

Quando negligenciados, os adultos concluem que eles não mereciam nada melhor. Quando foram fisicamente aterrorizados, eles racionalizam afirmando: “Sim, com certeza fui agredido. Mas eu mereci.”. De acordo com um estudo da Adverse Childhood Experiences, mais de um entre cada quatro adultos dos EUA, quando crianças, conviveram com abuso de álcool ou drogas em suas casas, enquanto 28% foram fisicamente abusados e 21% sofreram com abuso sexual.

A responsabilidade pela educação de crianças pode ser extenuante. Mães nos EUA são responsabilizadas por, pelo menos, 60% das mortes de crianças por abuso ou negligência. Menos de 40% destas mortes foram perpetradas pelo pai sozinho. Adultos que foram machucados durante a infância estão mais propensos a passar por problemas de saúde como: alcoolismo, adicção, diabetes, obesidade, doenças no coração, no pulmão ou no fígado, todas as formas de doença mental, fraturas ósseas, desemprego, câncer, dor crônica e menor expectativa de vida. A propensão a sofrer com esses problemas aumenta de acordo com o número e a intensidade de experiências adversas.

O capitalismo promove a simpatia pelas crianças que são vítimas e pune os perpetradores adultos. Mas os perpetradores de hoje foram as vítimas de ontem. Enquanto apenas uma pequena minoria se torna agressora quando adulta, os estudos demonstram que a maior parte dos agressores foram traumatizados durante a infância. O capitalismo não pode reconhecer que a maior parte dos agressores foi, no passado, vítima porque não pode admitir que as famílias transmitem o trauma de uma geração para a outra.

Algumas garotas que foram sexualmente abusadas se tornam predadoras sexuais na vida adulta. A crença sexista de que mulheres nunca violam crianças faz com que agressoras raramente sejam detidas, suas vítimas sejam desacreditadas e não recebam um tratamento adequado. Os agressores adultos podem ser, ao invés de punidos, tratados – o que só é possível quando eles entram em contato com as suas próprias experiências dolorosas de vitimização, as quais, normalmente, foram reprimidas.

Crianças

Ao mesmo tempo em que o capitalismo finge apoiar as vítimas de abuso infantil, raramente o abusador é removido de casa. Ao invés disso, remove-se a criança abusada. Este procedimento passa a mensagem de que a criança é o problema, além de não resultar em qualquer proteção para possíveis outras crianças do ambiente. Remover o abusador demandaria um investimento social voltado ao tratamento residencial e ao apoio familiar para compensar o sustento que era oferecido pelo abusador. Para não se colocar o “fardo” dessas obrigações sobre a sociedade, as vítimas perdem suas famílias e sofrem com o sentimento de culpa criado por acreditarem que sua família ainda estaria junta caso elas não tivessem “falado”.

O sistema legal ativamente desencoraja as vítimas de abuso infantil denunciem o que vivem. Aquelas que denunciam são traumatizadas mais uma vez por advogados e juízes que duvidam delas, minimizam seu sofrimento e culpam elas por provocarem a sua própria dor. O sistema não pode aturar essas vítimas porque teme liberar uma enchente de processos que exporia quantas crianças estão sofrendo em suas famílias. Abuso de crianças e abuso de idosos estão conectados. A inexistência de apoio social faz com que adultos que foram abusados quando crianças se tornem cuidadores inadequados de pais que estão envelhecendo. O stress ligado aos cuidados para idosos é multiplicado pelo profundo ressentimento de ter que sustentar aqueles que te maltrataram. Tal ressentimento pode resultar em explosões de violência, já que crianças abusadas podem, em uma nova posição, dar para os abusadores um pouco do seu próprio remédio.

Culpa

A família é uma instituição violenta que serve uma sociedade capitalista violenta. Porém, toda a epidemia de miséria que o capitalismo produz é falsamente apresentada como um conjunto de problemas pessoais e individuais que podem ser tratados individualmente por meio de medicina, terapia ou caridade. Sob o capitalismo, os problemas sociais são tomados como dificuldades individuais provocadas por más escolhas, problemas na educação familiar, química cerebral desequilibrada, genética defeituosa ou “acidentes”. Na realidade, os principais preditores para doenças, ferimentos ou morte prematura estão relacionados com a posição na hierarquia social. Quanto mais inferior, mais você sofre.

Um estudo identificou que o número de mortes provocadas por desigualdade de renda em 282 cidades dos EUA ultrapassava a soma das mortes por câncer de pulmão, diabetes, acidentes de automóveis, infecção por HIV, suicídio e homicídio.

Apesar de evidências incontestáveis sobre todos os danos provocados pelo capitalismo, nós aprendemos que a saúde é de responsabilidade individual. Quando adoecemos ou ficamos incapazes, dizem que fizemos algo errado e, por isso, é nossa responsabilidade resolver o problema. Para nos ajudar a resolver o problema, a indústria farmacêutica tem uma pílula a venda para cada doença. Além disso, uma indústria bilionária de autoajuda nos vende conselhos sobre como podemos ser saudáveis em um mundo doente.

Na realidade, a vida é insuportável sob o capitalismo. Estima-se que mais de 800.000 pessoas por todo o mundo se suicidam todo ano e milhões de outras tentam se suicidar ou desejam estar mortas. Ser infeliz é uma resposta racional para quem é explorado e oprimido. Porém não vivemos em uma sociedade racional; vivemos em uma sociedade que culpabiliza e humilha aqueles que não conseguem enfrenta-la, assim como aqueles que se desviam da norma esperada e estigmatiza como defeituosos aqueles que se rebelam.

É preciso admirar o capitalismo por sua capacidade de iludir. Nascemos em uma estrutura familiar repressiva na qual, como crianças, não temos absolutamente qualquer poder ou escolha. Os adultos que controlam nossas vidas estão sobrecarregados e sofrem diversas privações, de forma que eles não podem nos oferecer o que precisamos. Nossas experiências traumáticas infantis deixam marcas por toda nossa vida. Porém, dizem que os nossos problemas são culpa nossa e, por isso, somos os responsáveis para resolve-los. E quando, inevitavelmente, fracassamos, insultos são acrescentados às nossas dores. Somos, mais uma vez, culpabilizados.

Liberalismo

O liberalismo promove a ideia de que os indivíduos podem mudar a sociedade por meio da mudança de seu comportamento e que os problemas sociais persistem porque nem todas as pessoas fazem isso. “Seja a mudança que você quer ver no mundo” significa que se você se importa com a fome, você deve alimentar alguém. Tal como a Madre Teresa disse: “se você não pode alimentar cem pessoas, então alimente apenas uma”. De fato, podemos alimentar mais de cem pessoas. Nós produzimos muito mais do que é necessário para alimentar todos no mundo. As pessoas não passam fome porque não existe comida; elas passam fome porque elas são pobres; e são pobres porque a classe capitalista acumula toda a riqueza no topo da pirâmide social.

A maior parte das pessoas se importa com os outros e quer reduzir o seu sofrimento. O capitalismo transforma essa solidariedade em uma lucrativa indústria de caridade que busca enfrentar os problemas sociais sem contestar o sistema social que cria eles. Indivíduos são mobilizados para contribuírem doando alimentos, juntando dinheiro para pesquisas sobre doenças, doando para programas sociais para crianças, coletando computadores para escolas, etc. O resultado real disso é reduzir as expectativas sobre o que podemos conquistar. Somente alguns são alimentados, apenas algumas doenças são pesquisadas, poucas crianças praticam esportes e uma ou outra escola recebe os computadores. Isto não é bom o suficiente em um mundo que produz mais do que o necessário para satisfazer as necessidades das pessoas.

A renda anual de qualquer uma das dez pessoas mais ricas dos EUA pode pagar pela acomodação anual de 663.000 moradores de rua existentes nos EUA. O Walmart é a maior rede de supermercados nos EUA e seu lucro de 2013 foi de 16 bilhões de dólares, valor que poderia acabar com a fome nos EUA. Finalmente, os trilhões de dólares gastos anualmente com Guerra poderiam assegurar água limpa, saúde básica, educação e habitação para todos no planeta.

A ênfase capitalista sobre a escolha pessoal não parte de uma preocupação com quem nós somos ou quem podemos ser. É uma tática política para nos desviar de nossos interesses comuns de classe. A chave para combater a miséria é a solidariedade de classe e não a caridade. Quando a classe dominante não consegue satisfazer nossas necessidades, devemos responsabiliza-la por isso, nos organizarmos em cada bairro, escola e local de trabalho até conquistarmos o que necessitamos.

Moralismo

A estratégia liberal para acabar com a intolerância e a violência interpessoal é afirmar que devemos expiar comportamentos e pensamentos indesejados. Essa abordagem moralista apenas amplifica os antagonismos interpessoais por humilhar aqueles que não conseguem se comportar “corretamente”. E todos nós fracassamos nisso.

Nenhum de nós pode escapar completamente da intolerância. O capitalismo é um sistema social que penetra cada fibra de nosso ser; não há qualquer parte de nossas vidas ou de nossos relacionamentos que não é tocada por ele. Desde o nascimento até a morte estamos imersos em ideologias racistas, sexistas, homofóbicas e classistas. Por isso, é impossível criar comportamentos cooperativos consistentes no capitalismo. Se isto fosse possível, a revolução socialista não seria necessária.

A forma mais efetiva de enfrentar a intolerância e a violência interpessoal é combater aqueles que lucram com a nossa divisão e lutar por melhores condições para todos. Um socialista não é um ser moralmente superior que não tem defeitos. Um socialista é quem desafia ideias e ações que nos dividem buscando fortalecer a cooperação no interior da classe trabalhadora.

Socialismo

O capitalismo enfatiza a vida pessoal, mas não pode dar uma. A vida pessoal demanda tempo fora do trabalho e meios para que esse tempo seja vivido tal como escolhemos viver. O capitalismo cria condições que contrariam isso: excesso de trabalho e privações. Parece que há duas esferas na vida porque a maximização da acumulação capitalista precisa de uma produção que é socializada e uma reprodução que é privatizada. Na realidade, há apenas uma única esfera: o capitalismo. Um sistema social totalizante e profundamente destrutivo. E há apenas uma solução.

Seres humanos vivem em sociedades baseados em cuidados mútuos. Quando compartilhamos o trabalho, todos ganham mais tempo livre. Quando compartilhamos o que produzimos, todos podem acessar o que a sociedade pode oferecer. Integrar socialmente a produção e a reprodução cria um espaço para a vida pessoa que é livre das demandas postas nas duas esferas. Isto é o que o socialismo tem a oferecer. A educação coletiva é a melhor proteção para a criança. Cercada por educadores, nenhuma criança ficará presa em uma caixa limitada por um adulto necessitado ou enraivecido. Quando a educação das crianças é uma responsabilidade social, ninguém é forçado a viver com outra pessoa. O socialismo permitirá que as mulheres controlem se, quando e como terão filhos. A educação infantil socializada junto com o controle reprodutivo libertará as mulheres para vivenciarem relações igualitárias com os homens.

Substituir o sistema familiar-individual por um sistema de cuidado-social terminará com as caricaturas de gênero. Nestas condições, as crianças podem se tornar seres humanos integrais capazes de construir relações de acordo com seus desejos. A forma como a vida humana é organizada constitui todas as relações existentes. Substituir o capitalismo por uma sociedade socialista mudará muito mais do que a economia: mudará as pessoas que criam a revolução social e mudará suas relações de formas que podemos apenas imaginar. O próprio significado de ser humano será transformado.

Escolha

O capitalismo fez do mundo um lugar terrível para se viver. Como um escudo contra os horrores da guerra, exploração, morte lenta provocada por mudanças ambientais ou morte acelerada provocada por holocausto nuclear, recebemos o refúgio da “vida pessoal”. Enquanto o mundo desaba, nós devemos nos esconder em nossas casas, onde nós somos completamente impotentes na luta contra o capitalismo. Nós não temos que aceitar isso. Nós temos algumas escolhas pessoais sob o capitalismo. Nós podemos escolher o desespero ou a esperança. Nós podemos aceitar o mundo como ele é ou podemos lutar contra ele. Nós podemos culpar a nós mesmos e os outros por nossa miséria ou podemos nos juntar para satisfazer as necessidades de todos. Nós podemos nos esconder em casa ou podemos lutar com a nossa classe. A escolha que faremos determinará o destino do mundo.

[1] Canção popular na educação de crianças em países de língua inglesa. Na versão original: “John and Mary sitting in a tree. K.I.S.S.I.N.G. First comes love, then comes marriage, then comes baby in the baby carriage”.

3 Comments

3 Comments

  1. I was looking up some stuff for a school project and I stumbled upon this.. masterpiece. I’ll need to reread it a few times to really decide what I think but you’ve got an incredibly compelling way of writing that makes me not mind that too much. Kudos. Keep it up!

    Reply
  2. Very beautiful work. You are exactly right, and your lucid writing makes a tangled set of social relations clear and easy to understand and critique. Thank you!

    Reply
  3. Phenomenal literature Susan!

    Reply

Trackbacks/Pingbacks

  1. Mitos Kehidupan Pribadi Di Bawah Kapitalisme | Arah Juang - […] diambil dari website Susan Rosenthal. Dapat diakses melalui The Myth of Personal Life Under Capitalism dimuat pada 17 Februari…

Submit a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

Subscribe to receive monthly post updates!

=